Áreas de atuação

Osteoporose

Osteoporose significa o enfraquecimento dos ossos, qualquer que seja sua causa. Frequente nas pessoas idosas, principalmente naquelas do sexo feminino e talvez também no sexo masculino, pois com a longevidade maior e a pesquisa mais direcionada também aos homens, este diagnóstico começou a ficar mais comum. Com a evolução, pode haver dor óssea e risco de fraturas, principalmente na coluna e fêmur.

 

Se houver o quadro de osteopenia, que é um estágio intermediário de perda óssea entre o normal e a osteoporose, medidas preventivas para se evitar a evolução da osteopenia para a osteoporose devem ser iniciadas.

 

A prevenção da osteoporose já deve ser iniciada desde a adolescência, pois o pico de “excelência” da massa óssea ocorre no final da puberdade, e com orientação sobre a ingesta de cálcio, incentivo à prática de exercícios e pesquisa de casos de osteoporose familiar.

 

A menopausa, com a queda dos níveis de estrogênio (hormônio feminino), pode acelerar a perda da massa óssea e agravar o quadro. Pode haver deformidades, dor local em caso de micro fraturas, e é comum não se perceber se esta fratura for na vértebra, pois mecanismos musculares de compensação podem mascarar inicialmente o quadro.

 

Pessoas idosas ou com quadro da doença na família devem se submeter ao exame de densitometria óssea para quantificar a massa óssea e tratar, se for o caso. Crianças também podem ter a doença, devendo se ficar atento nas que sofrem fraturas de repetição, sem grandes traumas físicos. O exame da densitometria é indolor e fácil de se realizar.

 

Uma orientação de prevenção à osteoporose com medidas específicas, dieta equilibrada e individualizada, suplementação adequada de cálcio, vitamina D e outros, se necessário.

 

O tipo de medicamento mais adequado será definido pelo médico especialista após considerar vários fatores como idade, história clínica, risco de fraturas, efeitos colaterais, doenças associadas e resultados dos exames.